(071) 3117-1800
contato@han.net.br

Excelência no SUS: Ana Nery praticamente elimina uso de cateter de curta permanência na Hemodiálise

O Ana Nery praticamente eliminou o uso de cateteres de curta duração na Hemodiálise do Hospital. Atualmente, dos 144 pacientes em diálise no HAN, apenas três utilizam o cateter temporário.

Existem três tipos de acesso, para a realização da Hemodiálise: cateter curta permanência, cateter de longa permanência e fístula.

O cateter de curta permanência (ou temporário) possui desvantagens quando comparado com as outras opções. Ele precisa ser trocado com frequência, o uso prolongado desses acessos predispõe a infecções e pode levar ao desgaste dos vasos que por sua vez, inviabiliza a confecção de fístula artéria venosa, que é o padrão ouro para doentes em Hemodiálise.

Muitas vezes o cateter temporário é mantido pelas dificuldades de se conseguir trabalhar com as outras opções. O acesso ao implante de cateter de longa permanência, por exemplo, é mais é mais caro e exige um suporte maior da unidade de saúde. A fístula é dificultada porque, às vezes, o paciente não tem vaso suficiente, precisa fazer um doppler antes, entre outros motivos.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia, em 2021, 8,6% dos pacientes em Hemodiálise no Brasil, seja em unidades públicas ou privadas, utilizavam o cateter de curta permanência. No Ana Nery, atualmente, esse índice é de apenas 2%.

Dra. Fernanda Martin, médica nefrologista e diretora técnica do HAN, afirma que, nos últimos anos, foi prioridade da direção do Ana Nery trabalhar para melhorar o acesso dos pacientes na Hemodiálise.

“Hoje, fico muito contente que a agente só tem três pacientes em uso do cateter temporário, sendo que dois deles já estão com a fístula maturando. Praticamente zeramos o uso numa população humilde, do SUS. Esses resultados que obtivemos aqui no Ana Nery, pelo SUS, supera muitos dos serviços particulares no país”, diz.

Há cerca de cinco anos que o Ana Nery possui um Programa de Gerenciamento de Acesso Vascular, no qual o paciente é direcionado de forma mais rápida para fazer o acesso. O programa envolve consulta com médico vascular, encaminhamento para a Hemodinâmica, priorização dos pacientes da Hemodiálise para realização de doppler, além de avaliação de cardiologista quando necessária.

Uma das responsáveis por fazer o projeto funcionar, a enfermeira Maria Rosa explica que o Programa de Acesso Vascular criou uma parceria entre as equipes de Nefrologia e Angiologia

“Houve a inserção da enfermagem no ambulatório, com discussão dos casos e compartilhamento das informações técnicas; aquisição de aparelho de doppler na realização das consultas, otimizando a definição quanto ao acesso vascular; dedicação dos residentes na realização de acessos praticamente todos os dias. Um conjunto de acontecimentos acompanhados de muita dedicação de toda equipe. Me sinto realizada em participar desse programa e proporcionar qualidade de vida e um tratamento de qualidade aos pacientes renais crônicos”, destaca.

“Os pacientes da Hemodiálise são priorizados no HAN e, por isso, a gente conseguiu esse resultado”, conclui Dra. Fernanda.

Ana Nery promove semana de ações educativas para marcar o Dia Mundial do Rim

Foi encerrada no fim da manhã desta sexta-feira (11), a Semana NefroHAN, que promoveu ações integradas educativas sobre a doença renal. O evento, que começou na segunda-feira (7), foi idealizado para marcar o Dia Mundial do Rim, celebrado na quinta (10).

Ao longo da semana, foram realizadas lives no perfil do hospital no Instagram, panfletagem e orientação ao público externo do HAN. As atividades envolveram o conhecimento sobre doença renal e tratamento renal substitutivo, fatores de risco, além de hábitos e estilo de vida preventivo.

Nas ações, a equipe multiprofissional de saúde do Ana Nery informou ao público sobre os temas relacionados à educação da doença renal e ações de prevenção. Participaram do evento profissionais de enfermagem, medicina, fisioterapia, psicologia, nutrição, serviço social, pedagogia e técnicos em enfermagem.

Um dos momentos mais importantes foi o Pit Stop da Nefrologia, realizado no auditório do HAN. O objetivo foi levar informações sobre a doença renal, e sua prevenção, para os colaboradores do hospital.

Outro momento de muita relevância foram as atividades de fisioterapia promovidas, por dois dias seguidos, nas salas de hemodiálise.

Houve também momentos de descontração, com o músico Jamerson Rolemberg. Acompanhado de seu violino, ele passeou pelas salas de hemodiálise e emocionou pacientes e colaboradores com pérolas da música brasileira.

Na quinta-feira, data em que se celebrou o Dia Mundial do Rim, a equipe foi até o ambulatório do Ana Nery, onde orientou o público externo e promoveu uma atividade de alongamento.

No mesmo dia, Jacqueline Sacramento, assistente social do setor de Terapia Renal Substitutiva do HAN, e Dra. Maria Gabriela Guimarães, médica nefrologista do hospital, participaram de um evento online da Sociedade Brasileira de Nefrologia – Regional Bahia.

A semana foi encerrada no fim da manhã desta sexta, após uma live em que profissionais de saúde do Ana Nery falaram sobre a atuação da equipe multidisciplinar frente a doença renal crônica.

A cada ano, cerca 21 mil pessoas precisam iniciar tratamento por hemodiálise ou diálise peritoneal no Brasil, sendo raros os casos de recuperação parcial da função renal. Além disso, a cada ano, somente 2.700 brasileiros têm a oportunidade de transplante. Dessa forma, a doença renal e suas consequências constituem um importante problema de saúde pública, que requer atenção diferenciada à prevenção e ao tratamento.

Enviar mensagem
Precisa de ajuda? Entre em contato.
Agora você pode agendar e tirar suas dúvidas via WhatsApp.
Powered by