Reunião do Heart Team do Ana Nery debate casos complexos para decidir melhor intervenção em pacientes cardiopatas

Foi realizada na manhã desta terça-feira, 19 de outubro, mais uma reunião semanal do Heart Team (Time do Coração), do Hospital Ana Nery.

Formada por equipes de cirurgiões cardíacos, anestesistas, cardiologistas clínicos, enfermagem especializada, engenharia clínica e direção médica, o Heart Team tem como foco discutir os casos mais complexos, nos quais a decisão de intervir de forma percutânea ou cirúrgica não está clara.

Nesta terça, foram discutidos os casos de quatro homens e cinco mulheres, todos com idade entre 60 e 82 anos.

Nas reuniões do Heart Team, cada apresentação é liderada pelo clínico líder da enfermaria, com a apresentação feita pelo residente. Todos podem opinar e, em caso de não haver consenso, o clínico líder pode conduzir de forma orientada pelos melhores interesses do paciente e sua família.

Para casos mais avançados, há a participação da equipe especializada de cuidados proporcionais e paliação.

Além disso, todas as reuniões são registradas e compõem um acervo para pesquisa e consulta de casos complexos conduzidos pelo hospital.

Veja os casos discutidos na reunião anterior e cujas decisões já foram tomadas:

  • Paciente do sexo masculino, 72 anos, com passado de cirurgia de correção de aorta abdominal (há 15 anos) e DM II Insulino Dependente. Paciente relata que no dia 7/10/2020 iniciou quadro de precordialgia com irradiação para dorso, ao realizar grandes esforços, melhorando após repouso (de cerca de 5 minutos), adicionada à dispneia aos médiso esforços. Na época, procurou atendimento médico, sendo orientado a iniciar tratamento para IC e relatou uso irregular das medicações. Em julho de 2021, cursou com piora do quadro de dispneia, se apresentando aos pequenos esforços (NYHA III), associada à ortopneia e quadro anginoso (CCS III), procurando UPA, de onde foi transferido para o Hospital Menandro de Farias, após constatação de IAMCSST em parede ântero-septal e inferior, com elevação de MNM. Nega edema de MMII, DPN, palpitações, síncope, tosse ou demais sintomas congestivos. Realizou CATE evidenciado DAC triarterial > DA 90% P, CX 95%, CD e ramos diagonais fechados. ICFER (32% S) – NYHA III – PH, paciente com angina estável CCS II e miocardiopatia isquêmica.
    Decisão: Paciente veio com proposta externa de revascularização do miocárdio, no entanto, após a discussão clínica, a equipe multiprofissional optou por ATC de ADA, considerando o alto risco cirúrgico.
  • Paciente do sexo feminino, 70 anos, tem HAS e DM II. No dia 16/09/2021, apresentou dispneia intensa associada a abafamento, fato que a fez acionar o SAMU, constatando que a PA encontrava-se elevada e com créptos até ápice. Desse modo, a paciente foi encaminhada ao Hospital Ernesto Simões Filho. Ela realizou CATE no Hospital Ana Nery, onde foi diagnosticada com DAC triarterial > IAMCSST V3-V4.
    Decisão: Admitida com proposta de RM cirúrgica, entretanto, devido a aorta em porcelana e alto risco de AVC, a equipe multiprofissional optou por manter a paciente em tratamento clínico. Caso evolua com piora de sintomas, considerar ATC ou cirurgia sem CEC (HUPES).
  • Paciente do sexo feminino,  43 anos. Paciente com DM, FEVE (28% S), encontra-se internada no Hospital Universitário Edgard Santos, com suspeita de neoplasia.
    Decisão: Paciente com proposta inicial cirúrgica, entretanto, após discussão do caso clínico, a equipe multiprofissional optou por tratamento clínico, devido ao quadro do paciente.