(071) 3117-1800
contato@han.net.br

Realizada segunda parte das apresentações dos Trabalhos de Conclusão dos residentes em cardiologia do Ana Nery

Foram realizadas na quinta-feira (24), no auditório do Ana Nery, a segunda parte das apresentações dos Trabalhos de Conclusão dos médicos do 2º ano do Programa de Residência em Cardiologia.

Ao todo, 16 médicos concluíram neste mês de fevereiro suas residências em cardiologia no HAN, considerada uma das melhores do estado.

As apresentações começaram na quinta-feira da última semana, 18 de fevereiro, e foram concluídas nesta semana.

Dr. Warner Caldas, um dos residentes, afirmou que a vivência numa unidade como o Ana Nery é fundamental para a formação do médico.

Para ele, a clínica médica e a cardiologia em geral requerem a Rede SUS para o crescimento do residente, já que é importante que o médico em formação esteja nos grandes centros, onde há volume de pacientes.

Ele destacou ainda a qualidade do Programa de Residência em Cardiologia do HAN.

“Sem sombra de dúvidas, é a melhor residência de cardiologia na Bahia. A gente tem um volume grande de pacientes de enfermaria – são 3 enfermarias gigantes -; são de cinco a seis cirurgias cardíacas por dia – hospital nenhum aqui na Bahia tem esse volume -; e a preceptoria é muito presente e muito qualificada”, falou.

Reunião semanal do Heart Team do Ana Nery debate casos complexos de pacientes

Foi realizada na manhã desta terça-feira, 22 de fevereiro, mais uma reunião semanal do Heart Team (Time do Coração) do Hospital Ana Nery.

Formada por equipes de cirurgiões cardíacos, anestesistas, cardiologistas clínicos, hemodinamicistas, enfermagem especializada, engenharia clínica e direção médica, o Heart Team tem como foco discutir os casos mais complexos, nos quais a decisão de intervir de forma percutânea ou cirúrgica não está clara.

Nesta terça (2), foi discutido o caso de um adolescente de 14 anos, que está internado em hospital do sul da Bahia. O médico responsável da unidade do interior participou desta reunião do Heart Team de forma online.

Nas reuniões do Heart Team, cada apresentação é liderada pelo clínico líder da enfermaria, com a apresentação feita pelo residente. Todos podem opinar e, em caso de não haver consenso, o clínico líder pode conduzir de forma orientada pelos melhores interesses do paciente e sua família.

Para casos mais avançados, há a participação da equipe especializada de cuidados proporcionais e paliação.

Além disso, todas as reuniões são registradas e compõem um acervo para pesquisa e consulta de casos complexos conduzidos pelo hospital.

Confira as decisões dos casos apresentados na reunião anterior:

  • Mulher de 62 anos. Diagnóstico de hipertensão, Insuficiência cardíaca (IC) de etiologia valvar – fração de ejeção (FE) 62% (teicholz), estenose mitral grave, estenose aórtica moderada, insuficiência tricúspide (IT) grave, disfunção de ventrículo direito (VD), hipertensão pulmonar (HP) (PSAP 123mmHg). Teve episódio de edema agudo de pulmão em 02/02/2022 com dispneia classe funcional III/IV ao realizar Eco-TTe no contexto de fibrilação atrial ritmo atrial irregular e rápido (FA ARV). Em Eco-TT com estenose mitral grave, estenose aórtica (EAo) moderada e IT grave (com componente misto) – PSAP 123mmHg e disfunção sistólica de ventrículo direito (VD) significativa. Dr. Jackson Salgado afirma que o tratamento é reticente, de alto risco cirúrgico. Devido posicionamento clínico favorável à realização de tratamento cirúrgico, apesar de sua opinião exposta, concordou com a operação se for garantido todo o suporte de assistência ventricular à paciente.
    Decisão do Heart Team: Apesar de paciente com hipertensão pulmonar suprassistêmica, com disfunção de VD ecocardiográfica, evolui clinicamente sem sinais de IC direita, optado por seguir com troca valvar mitral (TVM) e TVAo. Idealmente procedimento a ser realizado com suporte de VD.
  • Mulher de 66 anos, passado de Bentall de Bono em 2016 (biológica) evolui com quadro de dispneia com piora progressiva associada a edema de membros inferiores (MMII). Proveniente de ambulatório de valvopatias evoluindo com manutenção de sintomas (classe funcional NYHA III) e desconforto precordial. Realizou novo Eco-TT revelando disfunção da bioprótese aórtica do tipo insuficiência aórtica (IAo) grave e valvopatia reumática mitral com estenose moderada e insuficiência mitral (IM) importante, IT importante – PSAP 62% com função biventricular preservada; sendo indicada dupla troca valvar aórtica e mitral por próteses mecânicas + plastia tricúspide; na ocasião realizada CATE devido aos sintomas de desconforto precordial que evidenciou lesão grave de direita anterior (DA) e coronária direita (CD). Em agosto/2021, discutido caso em sessão clínica e optado por seguir com tratamento percutâneo das lesões coronarianas e posteriormente seguir com a abordagem valvar. Apresenta ainda diagnostico de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) com padrão obstrutivo moderada a espirometria, clinicamente GOLD A pela avaliação da pneumologia. Internada para realizar abordagem valvar neste internamento, porém optado por rediscussão em Heart Team devido ao risco cirúrgico.
    Decisão do Heart Team: Diante do elevado risco cirúrgico pela complexidade da abordagem de cirurgia de Re-Bentall + TVM e plastia tricúspide em paciente com DPOC associado, optado por tratamento conservador com proporcionalidade de cuidados.
  • Homem de 37 anos, com caso já discutido em reunião anterior do Heart Team (HT) em 08/02/2022. Em 21/03/2019 realizou cirurgia de Bentall de Bono + implante de prótese mecânica em válvula aórtica, evoluiu com infecção de ferida operatória (FO), realizado exérese de granuloma de esternotomia em 30/05/19. Teve um acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi) em 13/06/19 em período de transição da anticoagulação e taquicardia supraventricular (TSV) em 30/06, revertida para taquicardia ventricular não sustentada (TVNS) após adenosina e evoluiu com fibrilação atrial (FA) aguda, cardiovertida com amiodarona, vinha em acompanhamento no ambulatório de valvulopatia do HAN, quando recebeu alta do ambulatório em 09/09/2020 para acompanhamento cardiológico externo. Refere que vinha em acompanhamento externo, quando realizou ECO de rotina em 26/02/21 e foi visualizada imagem hipoecoica, periprotética, com área de aproximadamente 8,4 cm2, sem identificação de orifício comunicante, sugestivo de neocavidade, fração de ejeção do ventrículo esquerdo 51% (FEVE). Atualmente evolui clinicamente assintomático. Concluído que paciente é de altíssimo risco para abordagem cirúrgica de correção do pseudoaneurisma.
    Decisão do Heart Team: Discutido em conjunto com Cirurgia Vascular (Dr. André Brito e Dr. João Pedro) e optado por tentativa de material para fechamento percutâneo.
  • Mulher de 68 anos, paciente hipertensa, diabética insulino-requerente e dislipidêmica. Relatado de dor torácica progressiva aos esforços iniciada há 4 meses, com piora aos esforços e melhora em repouso. Apresentou IAMCSST inferior não reperfundido. Realizou CATE em 03/02/2022 com padrão trarterial e eco-TT com função sistólica biventricular preservada.
    Decisão do Heart Team: Intervenção cirúrgica passível de revascularização miocárdica (RM) completa em paciente sem critérios de alto risco cirúrgico, sendo optado por seguir com cirurgia de RM.
  • Homem de 50 anos, paciente previamente diabético, em tela de regulação da CER com pedido de angioplastia, quadro de IAMSST; realizado CATE no HAN, sendo evidenciada lesão triarterial, porém lesão de DA distal, CD com lesão segmentar e leito distal fino.
    Decisão do Heart Team: Optado por manter em tratamento conservador.
  • Mulher de 62 anos, com relatório de pedido para angioplastia, na qual há a descrição de dispneia aos esforços (contexto de angina estável). Realizou CATE nesta instituição em 18/09/2021 com padrão triarterial com lesão grave de DA proximal.
    Decisão do Heart Team: Por conta da lesão grave de DA proximal, optado por seguir com cirurgia de RM.
  • Mulher de 64 anos, hipertensa, IMC 21, diagnosticada em 2021 com estenose aórtica grave (sem acompanhamento). ECOTT (13/01/2022) hipertrofia do ventrículo esquerdo grave, disfunção diastólica do VE grau dupla lesão valvar aórtica, sendo estenose grave e insuficiência leve. IM e IT leves; Endoscopia (EDA) em 19/02//2022: megaesôfago. Terço distal do esófago, em transição esofagogástrica, exibe lesão ulcerada, de bordos elevados e bem determinados, medindo cerva de 8mm.
    Decisão do Heart Team: Após avaliação do caso apresentado e informações fornecidas através de relatório enviado pela regulação, decidido por convocar paciente para avaliação cirúrgica e seguir com tratamento cirúrgico.

HOSPITAL ANA NERY ESCLARECE INFORMAÇÃO SOBRE HEMODIÁLISE

Em relação a nota postada nas redes sociais pela entidade Renal Salvador, a direção do Hospital Ana Nery (HAN) esclarece:

O Ana Nery MANTERÁ seus três turnos de Hemodiálise, como ocorre há mais de uma década. Portanto NÃO PROCEDE a informação de fechamento de nenhum dos turnos do procedimento.

A direção do Ana Nery destaca ainda que NÃO HÁ nenhuma descontinuidade de pagamentos ou repasses da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (SESAB) ou Ministério da Saúde.

Por fim, a direção do HAN lembra que a hemodiálise ambulatorial do hospital tem como objetivo atender à demanda de pacientes mais complexos, com impossibilidade de realizar o procedimento nas clínicas satélite. Lembramos ainda que o direcionamento de doentes é feito pela Comissão Estadual de Nefrologia.

Pelo 5º ano consecutivo, Ana Nery é a primeira escolha de médicos para o Programa de Residência em Nefrologia na Bahia

O corpo clínico da Nefrologia Geral, Terapia Dialítica e Transplante Renal do Hospital Ana Nery celebra, pelo 5º ano consecutivo, o fato do Ana Nery ser a primeira escolha entre os médicos que buscam fazer o Programa de Residência Médica em Nefrologia na Bahia.

A notícia foi recebida com entusiasmo por todo o corpo clínico, uma vez que reflete os resultados das ações que visam a melhoria contínua do serviço e a qualidade de assistência ao paciente renal em sua integralidade.

Registra-se que os esforços para melhoria da qualidade de assistência ao doente portador de doença renal na Bahia, seguindo a linha de cuidados, é umas das missões da Gestão do Hospital Ana Nery.

O HAN é o maior centro formador de novos nefrologistas do estado, ofertando seis vagas anuais.

A residência dura dois anos e, no total, 12 médicos residentes fazem parte da equipe de Nefrologia: seis novos que entram a cada ano, e seis que já estão no segundo ano de residência.

Aproveitamos para antecipar as nossas boas-vindas aos novos médicos residentes em Nefrologia do Hospital Ana Nery. Em março, eles participarão de um curso introdutório ao Programa de Residência Médica em Nefrologia [veja programação abaixo]

QUINTA-FEIRA (17/03)

  • 13:00-13:40h – Abordagem inicial das glomerulopatias
  • 13:40-14:20h – POCUS in Nephrology
  • 14:20-15:00h – HPTS, PTx e rotinas
  • 15:00-15:20h – INTERVALO
  • 15:20-16:00h –GNRP e pulsoterapia
  • 16:00-16:40h – DRC: investigação inicial e manejo das complicações
  • 16:40-17:20h – DP: fisiologia do peritônio, peritonites e rotinas do serviço

SEXTA-FEIRA (18/03)

  • 13:00-13:40h – LRA: conceitos, abordagem inicial e tratamento conservador
  • 13:40-14:20h – TRS na IRA
  • 14:20-15:00h – Disnatremias
  • 15:00-15:20h – INTERVALO
  • 15:20-16:00h – Nefrologia de consultório – Cistos renais e Nefrolitíase
  • 16:00-16:40h – Hemodiálise crônica – prescrição e adequação
  • 16:40-17:20h – Transplante renal: princípios básicos, rotinas e imunossupressão

Ana Nery cria e-mail e whatsapp para atendimento a crianças e adolescentes com cardiopatia congênita ou reumática e que necessitem de cirurgia cardíaca

O Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital Ana Nery criou um e-mail e um Whatsapp para facilitar e agilizar o acesso ao atendimento ambulatorial de crianças e adolescentes portadores de cardiopatia congênita ou reumática, e que precisem de acompanhamento clinico ou necessidade de cirurgia cardíaca no estado da Bahia.

Se você conhece alguma criança ou adolescente que possui essas condições, e que já foi atendida pelo pediatra ou medico da saúde da família, entre em contato com a gente, através do email agendacardiopediatria@han.net.br ou do whatsapp (71) 9 9601-0682.

Os pré-requisitos para agendar o atendimento no Ana Nery são:

. O paciente deve ter entre 0 a 17 anos de idade;

. Ter solicitação médica com pedido de avaliação com cardiopediatra para encaminhar cirurgia cardíaca ou para acompanhamento por cardiopatia congênita ou reumática;

. Apresentar documento de identificação do paciente e responsável, além de telefone de contato;

Médicos da residência em cardiologia do Ana Nery apresentam trabalhos de conclusão: ‘Melhor residência de cardiologia da Bahia’

Médicos do 2º ano do Programa de Residência em Cardiologia do Hospital Ana Nery apresentaram nesta quinta-feira (16) seus respectivos Trabalhos de Conclusão do Curso.

Ao todo, 16 médicos concluíram neste mês de fevereiro suas residências em cardiologia no HAN, considerada uma das melhores do estado.

De acordo com um dos médicos residentes, Dr. Warner Caldas, é fundamental para a formação do médico residente ter a vivência numa unidade como o Ana Nery.

“Eu acho que a clínica médica e a cardiologia em geral requerem mesmo a Rede SUS, para crescimento [do médico residente]. Você tem que estar nos grandes centros, onde há volume de pacientes, você tem que ver o paciente, você tem que tocar no paciente, e é isso que eu vejo no Ana Nery”, diz.

Ele destacou ainda a qualidade do Programa de Residência em Cardiologia do HAN.

“Sem sombra de dúvidas, é a melhor residência de cardiologia da Bahia. A gente tem um volume grande de pacientes de enfermaria – são 3 enfermarias gigantes -; são de cinco a seis cirurgias cardíacas por dia – hospital nenhum aqui na Bahia tem esse volume -; e a preceptoria é muito presente e muito qualificada”, falou.

Para Dr. Warner, uma preceptoria atuante e um hospital com grande volume de pacientes SUS graves são duas das melhores ferramentas para a formação do médico residente.

“É uma residência que não deixa nada a desejar a nenhuma outra do país e, sem dúvida nenhuma, confio nos meus colegas e na preceptoria de uma forma geral, e no profissional cardiologista que está sendo formado aqui no Ana Nery”, concluiu.

Heart Team do Ana Nery debate casos complexos de pacientes; confira

Foi realizada na manhã desta terça-feira, 15 de fevereiro, mais uma reunião semanal do Heart Team (Time do Coração) do Hospital Ana Nery.

Formada por equipes de cirurgiões cardíacos, anestesistas, cardiologistas clínicos, hemodinamicistas, enfermagem especializada, engenharia clínica e direção médica, o Heart Team tem como foco discutir os casos mais complexos, nos quais a decisão de intervir de forma percutânea ou cirúrgica não está clara.

Nesta terça (15), foram discutidos os casos de cinco mulheres (duas com 62 anos, e as outras com 64, 66 e 68) e dois homens (37 e 50 anos).

Nas reuniões do Heart Team, cada apresentação é liderada pelo clínico líder da enfermaria, com a apresentação feita pelo residente. Todos podem opinar e, em caso de não haver consenso, o clínico líder pode conduzir de forma orientada pelos melhores interesses do paciente e sua família.

Para casos mais avançados, há a participação da equipe especializada de cuidados proporcionais e paliação.

Além disso, todas as reuniões são registradas e compõem um acervo para pesquisa e consulta de casos complexos conduzidos pelo hospital.

Confira as decisões dos casos apresentados na reunião anterior:

  • Homem de 37 anos, que em 21/03/2019 realizou cirurgia de Bentall de Bono + implante de prótese mecânica em válvula aórtica. Evoluiu com infecção de ferida operatória (FO), realizado exérese de granuloma de esternotomia em 30/05/19. Teve um acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi) em 13/06/19 em período de transição da anticoagulação e taquicardia supraventricular (TSV) em 30/06, revertida para taquicardia ventricular não sustentada (TVNS) após adenosina e evoluiu com fibrilação atrial (FA) aguda, cardiovertida com amiodarona, vinha em acompanhamento no ambulatório de valvulopatia do HAN, quando recebeu alta do ambulatório em 09/09/2020 para acompanhamento cardiológico externo. Refere que vinha em acompanhamento externo, quando realizou ECO de rotina em 26/02/21 e foi visualizada imagem hipoecoica, periprotética, com área de aproximadamente 8,4 cm2, sem identificação de orifício comunicante, sugestivo de neocavidade, fração de ejeção do ventrículo esquerdo 51% (FEVE). Sugeriram a realização de ECO TE para melhor análise. Realizado no HAN com IM moderada, pseudoaneurisma (volumoso) em topografia mitro-aórtica e regurgitação periprotética significativa.  Paciente não apresentou clínica de endocardite durante a evolução do quadro.
    Decisão do Heart Team: Paciente de altíssimo risco para abordagem cirúrgica de correção do pseudoaneurisma. Optado por seguir discussão em conjunto com Cirurgia Vascular e Hemodinâmica de possibilidades de abordagem endovascular.
  • Mulher de 62 anos, hipertensa, obesa, com passado de cirurgia de RM em 2014, evoluindo com sintomas compatíveis com angina estável CCS II com terapia antianginosa otimizada; CPME com isquemia em parede inferior. Realizou cateterismo (CATE) com enxerto em membro inferior MIE > DA pérvio, porém com leito distal da descendente anterior (DA) com lesões difusas, lesão grave na circunflexa (Cx) e coronária direita (CD) ocluída; enxertos de Sf ocluídos.
    Decisão do Heart Team: Optado por otimização de terapia antianginosa e seguir ambulatoriamente. Caso refratariedade de sintomas, seguir com angioplastia (ATC) de Cx> marginal (Mg).
  • Homem de 57 anos, com quadro de DAC estável com angina CCS III com terapia antianginosa otimizada. Realizou CATE com padrão triarterial, sendo DA ocluída, Mg ocluída e CD com lesão grave, porém sem enchimento satisfatório da DA por colaterais. Sendo assim, pela anatomia do CATE é possível revascularização da Dg e do Mg com certeza, sendo duvidosa a revascularização da DA, uma vez que leito distal não enche por colateral.
    Decisão do Heart Team: Optado por discussão com médico assistente para avaliar risco versus benefício da intervenção cirurgia incompleta neste contexto para benefício de sintomas para seguir com tratamento do paciente.
  • Homem de 69 anos, hipertenso e com quadro de IAMCSST anterior reperfundido com alteplase em 18/11/21, evoluiu com quadro de taquicardia ventricular (TV) com pulso em 24/11/21. Realizou CATE com padrão triarterial, porém leitos distais com lesões difusas, tendo anatomia desfavorável para tratamento clinico ou percutâneo.
    Decisão do Heart Team: Optado por manter a coronária em tratamento clínico otimizado e realizar implante de cardiodesfibrilador implantável (CDI) como profilaxia secundária.
  • Homem de 58 anos, hipertenso, diabético insulino-requerente, AVC prévio e infarto agudo do miocárdio com supra de ST (IAMCSST) anterior recente e evoluindo com recorrência de angina durante internamento segundo relatório. Durante avaliação de caso, visto CATE com lesão triarterial grave com lesão de tronco de coronária esquerda (TCE), lesões difusas de DA e segmentares em Cx e CD (não culpada) com lesão no terço médio, sendo considerado com anatomia desfavorável para tratamento cirúrgico ou percutâneo.
    Decisão do Heart Team: Decidido de forma consensual por seguir com tratamento clínico medicamentoso otimizado.

ATENÇÃO: ANA NERY É 100% GRATUITO E NÃO COBRA POR QUAISQUER ATENDIMENTOS

O ANA NERY É UM HOSPITAL PÚBLICO E 100% GRATUITO.

A UNIDADE ATUA INTEGRALMENTE PELO SUS E NÃO COBRA POR QUAISQUER ATENDIMENTOS, PROCEDIMENTOS OU EXAMES REALIZADOS.

SE ALGUÉM ENTRAR EM CONTATO COM VOCÊ, EM NOME DO ANA NERY, SOLICITANDO O PAGAMENTO DE VALORES PARA REALIZAÇÃO DE QUALQUER PROCEDIMENTO, TRATA-SE DE UMA FRAUDE.

NÃO FAÇA NENHUM PAGAMENTO OU TRANSFERÊNCIA DE VALORES.

QUALQUER DÚVIDA, ENTRE EM CONTATO COM NOSSA OUVIDORIA:
(71) 3117-2030 / OUVIDORIA@HAN.NET.BR

Com decoração temática da fauna e flora, mais uma enfermaria pediátrica do Ana Nery é entregue após reforma

Foi entregue nesta quinta-feira (10), após obras de requalificação, mais uma enfermaria pediátrica do Hospital Ana Nery a ser totalmente requalificada.

A sala, que já está pronta para receber os pequenos, tem capacidade para atender até 6 pacientes. Esses 6 leitos somam-se a outros três, que também foram totalmente requalificados, e entregues há menos de 15 dias.

Além de revisão da parte elétrica e hidráulica, a requalificação das duas enfermarias deu grande atenção ao fator lúdico, já que se trata de uma unidade pediátrica, e transformou a área em uma incrível viagem pelo espaço sideral.

O tema central é o espaço, e cada enfermaria será um tipo de planeta. As duas novas salas representam o planeta da fauna e flora brasileira.

As paredes mostram o astronauta criança, mascote da enfermaria, em meio a diversas plantas e animais, como arara, onça, anta, bicho preguiça e outros.

À medida em que os pacientes forem sendo transferidos para a nova enfermaria, a requalificação começará nas que forem sendo liberadas.

Além das enfermarias, o corredor da ala pediátrica também ganhará decoração com tema espacial, simulando a viagem que as crianças farão até chegarem nos planetas (enfermarias).

E para a imersão dos pequenos nesse mundo do espaço sideral ser completa, a sala no centro cirúrgico onde são realizados os procedimentos pediátricos foi decorada para ser a nave do astronauta.

Programa de Residência Médica em Nefrologia: Faça parte de uma equipe de ponta


Post navigation

Enviar mensagem
Precisa de ajuda? Entre em contato.
Agora você pode agendar e tirar suas dúvidas via WhatsApp.
Powered by