Humanização

Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH) busca colocar em prática os princípios do SUS no cotidiano dos serviços de saúde, produzindo mudanças nos modos de gerir e cuidar.

A PNH estimula a comunicação entre gestores, trabalhadores e usuários para construir processos coletivos de enfrentamento de relações de poder, trabalho e afeto que muitas vezes produzem atitudes e práticas desumanizadoras que inibem a autonomia e a corresponsabilidade dos profissionais de saúde em seu trabalho e dos usuários no cuidado de si.

Vinculada à Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, a PNH conta com um núcleo técnico sediado em Brasília – DF e equipes regionais de apoiadores que se articulam às secretarias estaduais e municipais de saúde. A partir desta articulação se constroem, de forma compartilhada, planos de ação para promover e disseminar inovações em saúde. Com a análise dos problemas e dificuldades em cada serviço de saúde e tomando por referência experiências bem-sucedidas de humanização, a PNH tem sido experimentada em todo o país. Existe um SUS que dá certo, e dele partem as orientações da PNH, traduzidas em seu método, princípios, diretrizes e dispositivos.

O HumanizaSUS aposta em inovações em saúde, como:

– Valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde: usuários, trabalhadores e gestores;

– Fomento da autonomia e do protagonismo desses sujeitos e dos coletivos;

– Aumento do grau de co-responsabilidade na produção de saúde e de sujeitos;

– Estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão;

– Mapeamento e interação com as demandas sociais, coletivas e subjetivas de saúde;

– Defesa de um SUS que reconhece a diversidade do povo brasileiro e a todos oferece a mesma atenção à saúde, sem distinção de idade, etnia, origem, gênero e orientação sexual;

– Mudança nos modelos de atenção e gestão em sua indissociabilidade, tendo como foco as necessidades dos cidadãos, a produção de saúde e o próprio processo de trabalho em saúde, valorizando os trabalhadores e as relações sociais no trabalho;

– Proposta de um trabalho coletivo para que o SUS seja mais acolhedor, mais ágil e mais resolutivo;

– Compromisso com a qualificação da ambiência, melhorando as condições de trabalho e de atendimento;

– Compromisso com a articulação dos processos de formação com os serviços e práticas de saúde;

– Luta por um SUS mais humano, porque construído com a participação de todos e comprometido com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para todos e qualquer um.

Membros da Comissão de Humanização do SUS:

Alessandra Martins – Psicologia Hospitalar

Alely Vila Flor – Pediatria – UTI e Enfermaria

Ana Cláudia Guimarães – Serviço Social

Brenno Almeida – Comunicação

Cândida Garcia – Clínicica Médica, CCA, Nefrologia

Iolanda Sabrina Silva – RH SESAB/MINISTÉRIO/FAPEX

José Manoel Cortez – Humaniza SUS

Maria José – COREME

Patrícia de Brito – Psic. Organizacional/ Educ. Permanente

Vilma Silva – Laboratório

*Com informações do Portal da Saúde